OBSERVATÓRIO DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO

FACULDADE DE SERVIÇO SOCIAL

PROGRAMA OBSERVATÓRIO DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO
Coordenação: Msc. Almyr Carlos de Moraes Favacho

RESUMO:

O envelhecimento humano é um processo natural, universal, contínuo e irreversível, inerente a todos os seres humanos, com transformações bio-psico-sociais, que se intensificam ao longo do tempo, onde se caracteriza por ser um processo heterogêneo. Deste modo este envelhecimento vem se dando cada vez mais, caracterizando o chamado envelhecimento populacional ou envelhecimento demográfico, que se dá pelo desenvolvimento tecnológico, principalmente nas áreas da medicina e da infraestrutura sanitária que acabam por auxiliar a redução na taxa de mortalidade. Assim o fenômeno do envelhecimento populacional foi uma das grandes transformações sofridas no Brasil no século XX, ocasionando um aumento do número de idosos no país, que de acordo com os indicadores sociais apresentados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), nos mostra que o perfil etário brasileiro, em 2009, era de 21 milhões de pessoas idosas, e para 2025 a estimativa é crescente, com expectativa de 33 milhões de pessoas acima de 70 anos, assim, observa-se que em algumas décadas o Brasil estará vivenciado uma realidade onde os idosos representarão o maior número de habitantes. Dessa forma, é perceptível essa nova realidade visto que, surgem demandas as quais a sociedade civil e órgãos governamentais deverão estar prontos para responder. Pode-se considerar que a violência contra o idoso é uma delas, vê-se que a OMS (2002) define violência contra o idoso como um ato de acometimento ou omissão, que pode ser tanto intencional como involuntário. O abuso pode ser de natureza física ou psicológica ou pode envolver maus tratos de ordem financeira ou material. Qualquer que seja o tipo de abuso, certamente resultará em sofrimento desnecessário, lesão ou dor, perda ou violação dos direitos humanos e uma redução na qualidade de vida do idoso. A sociedade, por não ter sido preparada para enfrentar a velhice, vem culturalmente reproduzindo preconceitos e estereótipos de toda ordem, nos quais acabam refletindo na população idosa, pois, os velhos vêm sendo alvo dos chamados crimes violentos. Assim, o Estado não vem cumprindo com o que preconiza o Estatuto do Idoso, mas precisamente no Art. 4o quando nos diz que Nenhum idoso será objeto de qualquer tipo de negligência, discriminação, violência, crueldade ou opressão, e todo atentado aos seus direitos, por ação ou omissão, será punido na forma da lei, e além de não objetivar tal estatuto, acaba por não efetiva a sua função de proteção aos mais vulneráveis por meio de políticas públicas, ou efetivando plenamente as políticas já existentes. A sociedade não reconhece o idoso como cidadão de direitos, deixando-o às margens da sociedade e a família que também demonstra despreparo para lidar com seus idosos, tendem a isolá-lo, excluí-lo do convívio familiar e é apontada nas pesquisas, como a maior responsável pelos atos de violência contra o idoso, conforme informações veiculadas nos meios de comunicação. É notória a relevância de se promover ações extensionista em conformidade com a política de extensão da UFPA, e a criação do "Projeto Observatório de Violência Contra a Pessoa Idosa", para que venham garantir proteção a este segmento etário, e desenvolver junto à sociedade e a família, ações educativas que possam promover a conscientização e mudanças de atitudes, para uma melhor qualidade de vida da pessoa idosa.

BOLSISTAS:

1) Sara do Nascimento Martins

ASSISTENTE SOCIAL VOLUNTÁRIO:

1) Renato Soares de Aquino

INFORMAÇÕES:

- UFPA – Campus Belém

- ICSA – Instituto de Ciências Sociais Aplicadas

- Telefone: 3201-8626 / 98127-5793

- E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

PERÍODO DE EXECUÇÃO: Fevereiro de 2015 a Janeiro de 2016

 

ICSA - Campus Universitário do Guamá, Rua Augusto Corrêa, N º 1 - UFPA - Tel: (91)3201-7101   E-mail: icsa@ufpa.br